23 de jun de 2011

Porta fechada

Porta fechada,
deito-me no silêncio.
prazer da solidão.

Vou até às cerejeiras
Dormir sob seus capulhos,
sem deveres.


Fernando Pessoa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget

De o Osso ao Cachorrinho