21 de jun de 2011

Simples Canção

Enquanto o mundo cresce
E se desconhece
Prefiro a luz do vagalume
A clarear um pequeno jardim.

Tantas perguntas
Para poucas respostas
Talvez porque,
O exercício de perguntar
Seja mais misterioso e sedutor
Do que o de responder.

Fui intensamente amada
Por muitas pessoas,
Isso me inspira a dizer
Que soube transformar
Minha vida em poesia,
Meus dias em versos...

Na tarde onde os lírios nascem
Somos mais, porque estamos em paz
E do alto do meu céu azul,
Ouve-se, ao longe, uma doce canção...
 
Por:

TIRA OLHO, mais um do sertão.

Fonte: Google
Papo Amarelo era seu nome, cangaceiro de grande fama no sertão pernambucano, fiel ao bando, em primeiro lugar a lampião, respeitador de Maria Bonita e mal visto pelos coroneis de fazenda e engenho, as volantes de “macacos” grunhiam seu nome enquanto vinham da capital atráz de suas cabeças. Não muito baixo, mas troncudo, atarracado, cabelo grande, desgrenhado, sempre com olheiras decorrentes das noites atentas ao impreciso, pele branca, avermelhada pelo sol forte, aparentava uns 40 anos, mas tinha 30, sempre com suas roupas de couro claro, alpargatas escuras e borneis floridos bordados por Zefinha, sua companheira, possuia a voz rouca e forte, de fala rápida, tipico de quem é acostumado a gritar, liderar, possuia esse nomepor causa do seu rifle Wintchester papo amarelo que era sua fiel parceira e nunca lhe deixava desamparado. Era dono de um semblante eternamente sério que era intensificado pela cicatriz funda e grande que possuia acima da testa.
Não media as palavras, tinha a personalidade forte, carater duvidoso, justo com as discordias internas do grupo, tinha rancor do ricos que tinham terras a perder de vista, porque ele cresceu como bastardo em uma grande fazenda e dividia espaço com os cabritos ao mesmo tempo que sonhava com uma varanda florida em que pudesse brincar e depois descansar com sua mãe em uma rede.
Apelidado por uns como “tira olho”, pois era assim que fazia com seus desafetos, depois de imobiliza-los tiravam-lhe os olhos como um abutre sedento. Foi morto no mesmo dia que o resto do bando, deixando sua cabeça como um souvenir macabro para a posteridade, assim como ficam para posteridade, as várias histórias nordestinas que nada mais são do que outros souvenirs macabros, que ano após ano permeiam nosso imaginaram como se fossem páginas criadas de algum livro velho esquecido ou nas páginas versadas de algum cordel, mas na verdade são vividas, choradas e sangradas.

Helio Andrade

O Fogo Que Nos Transforma

Fonte: Google
              
O FOGO QUE NOS TRANSFORMA

- Por Rubem Alves -

Como o milho duro, que vira pipoca macia,
só mudamos para melhor quando passamos pelo fogo: as provações da vida.
A transformação do milho duro em pipoca macia é símbolo da grande transformação por que devem passar os homens, para que eles venham a ser o que devem ser.
O milho da pipoca somos nós: duros, quebra-dentes, impróprios para comer, mas que, pelo poder do fogo, podemos, repentinamente, voltar a ser crianças!
Mas a transformação só acontece pelo poder do fogo. O milho de pipoca que não passa pelo fogo, continua a ser milho de pipoca.
Assim acontece com a gente.
As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo.
Quem não passa pelo fogo fica do mesmo jeito, a vida inteira.
O fogo é quando a vida nos lança em uma situação que nunca imaginamos.
Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho,
ficar doente, perder um emprego, ficar pobre.
Pode ser fogo de dentro: pânico, medo, ansiedade, depressão -
sofrimentos cujas causas ignoramos.
Há sempre o recurso dos remédios que apagam o fogo. Sem fogo, o sofrimento diminui. E com isso a possibilidade da grande transformação.
Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela,
lá dentro, ficando cada vez mais quente, pense que a sua hora chegou: "vou morrer".
De dentro de sua casca dura, fechada em si mesma, ela não pode imaginar destino diferente. Mas subitamente, a transformação acontece: pum! - e ela aparece como outra coisa, completamente diferente, algo que ela mesma nunca havia sonhado.
Mas existem pessoas PIRUÁS que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar.
Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem.
Ignoram o dito de Jesus: "Quem preservar a sua vida, perdê-la-á."
A sua presunção e o seu medo são a dura casca do milho que não estoura. O destino delas é triste. Vão ficar duras a vida inteira.
Não vão se transformar na flor branca macia. Não vão dar alegria para ninguém.
Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo da panela ficam os piruás, que não servem para nada. Seu destino é o lixo.
Quanto às pipocas que estouraram, são adultos que voltaram a ser crianças e que sabem que a vida é uma grande brincadeira. ..
- Nota de Wagner Borges: Rubem Alves (1933-) - é escritor, pedagogo, teólogo e psicanalista. Para mais detalhes sobre o seu trabalho e seus diversos textos e livros inspirados, de alta reflexão consciencial, ver o seu site: www.rubemalves. com.

Dez dicas antes de comprar uma garrafa de Vinho.

Fonte: Google
By Blog Dag Vulpi
Dicas úteis para você escolher, selecionar e comprar os melhores Vinhos, para sua casa, seu jantar, almoço ou festa. São dicas básicas para que você faça uma boa escolha do Vinho e do estabelecimento (adega, mercado, padaria ) onde comprar os melhores Vinhos.  
Toda compra exige certa cautela. Se você vai comprar um carro, você conversa antes com alguém que tenha o modelo que você tem interesse, se for usado, você conversa antes com o seu mecânico de confiança.  Com o Vinho não poderia ser diferente. Na hora de comprar você conversa com um amigo ou vai a uma casa especializada no ramo e conversa com o atendente.
Mas além de saber qual, ou quais os melhores vinhos para comprar, você tem que saber como comprar. É comum alguém comprar um Vinho e depois dizer que o Vinho “não estava bom”. Assim, para que você possa ter um mínimo de independência na hora da compra, segue uma lista com as dez recomendações básicas para aquela hora em que você está de frente a uma prateleira de Vinhos.
Esta lista serve para que você tenha um mínimo de segurança e não jogue dinheiro fora comprando um Vinho estragado, passado ou de baixa qualidade.
O Vinho é um alimento, portanto estraga.
Esta dica é a mãe de todas as dicas. O Vinho não é pasteurizado como a cerveja, nem artificial como um refrigerante. O Vinho é uma bebida que está em seu estado natural, na garrafa, protegida por uma rolha porosa que troca oxigênio com o ambiente e é sensível ao calor. Portanto lembre-se: O Vinho dura alguns anos na garrafa, mas estraga como  qualquer alimento, se mal conservado.
Evite garrafas armazenadas de pé
Como disse o Vinho é protegido por uma rolha porosa que troca oxigênio com o ambiente. Esta rolha tem que estar sempre úmida. Se a garrafa ficar muito tempo de pé, a rolha seca, e o oxigênio começa a entrar muito rápido, e o resultado: O Vinho oxida e estraga. Os mercados são os campeões neste quesito, embora nos últimos anos, vários deles têm tomado mais cuidados, e deixam expostas poucas garrafas que tem saída antes que a posição da garrafa se torne um problema.
Evite vinhos sem safra
Os Vinhos têm safra, (que é o ano em que a uva foi colhida e está estampado no rótulo). Não há motivo para que o produtor não ponha esta informação no rótulo. O único motivo é quando o produtor mistura várias safras na intenção de resolver problemas de uma safra ou outra e melhorar um Vinho ruim. O resultado em geral é um Vinho ruim. Barato, mas ruim. Portanto evite Vinhos que não tenham o ano claramente estampado no rótulo.
Rejeite garrafas pegajosas
Garrafas pegajosas em geral são péssimo sinal. Ou o comerciante armazena tão mal o Vinho que outras bebidas, ou sabe-se lá o que, se derramaram sobre a garrafa, ou significa que a rolha ressecada fez parte do vinho vazar. Resultado: Esqueça pegue outra garrafa, ou melhor, vá para outro estabelecimento que armazene melhor seus produtos.
Rejeite rolhas protuberantes
A rolha sempre está alinhada ou um pouco abaixo da boca da garrafa. Se a rolha estiver saltada pressionando a cápsula (que é a cobertura de plástico ou chumbo que recobre o gargalo da garrafa) só uma coisa é certa: O Vinho já era. Isto acontece em geral porque houve algum tipo de pressão dentro da garrafa, por fermentação interna, que não devia acontecer, ou seja, novamente, Vinho estragado.
Rejeite garrafas com nível abaixo do pescoço
A garrafa de Vinho sempre é cheia pelo produtor acima do pescoço (que é o fim do gargalo e início da garrafa). Assim se o líquido está abaixo do pescoço, é porque algo deu errado, em geral a rolha ressecou e o vinho, ou evaporou, ou vazou. Sem chance: Vinho estragado.
Rejeite tons de tijolo nos tintos, e tons de marrom nos brancos.
Quando tudo dá errado e o Vinho oxida, os tintos ficam de cor opaca com tons tijolo e os brancos com fortes tons de marrom. São as cores da desgraça. O Vinho não é mais Vinho, mas alguma coisa entre vinagre e nada.
Só compre safras antigas (+1 ano brancos, +3 anos tintos) sem conhecer as tabelas de safras da região
É lógico que você já ouviu falar de garrafas com mais de 10 ou 20 anos, mas isso não é para qualquer Vinho, nem pra qualquer safra (ano de colheita). Ás vezes um Vinho dura 5 anos em uma safra e 2 em outra, as tabelas de safras mostram naquele ano que Vinhos podem esperar mais, que vinhos devem ser tomados e que vinhos já eram. Mas como regra, todos os vinhos mais comuns duram entre 1 e 3 anos sem grandes problemas. 
Só compre vinhos caros se tiver desenvolvido o paladar.
Em geral as pessoas acham que em ocasiões especiais tem que comprar um “super-vinho” e gastar R$ 100 ou mais. Um grande erro. Tudo depende de onde você está na escala da evolução. Não ria, é isso mesmo. Seu paladar está acostumado a tomar cerveja e você vai começar a tomar Vinho? Você já toma regularmente Vinhos mais caros e complexos?
Os Vinhos não sobem somente de preço, eles sobem em complexidade, em potência, em estrutura, e mesmo que você não faça a menor idéia do que isso significa, seu paladar sabe. Muitos Vinhos de maior valor possuem mais taninos, e, portanto são mais “secos” ou “ásperos” como você poderia definir. Assim se você não tiver preparado seu paladar você tem 90% de probabilidade de que o Vinho não lhe agrade.
Crie um hábito e use a “Regra do Dobro”
Sempre compre vinhos com preço abaixo do dobro do preço de seu consumo habitual.
É simples, se você está acostumado a tomar Vinhos na faixa de R$ 15,00, então seu limite é de R$ 30,00. Se seu consumo habitual é de Vinho de R$ 25,00, então seu teto é de R$ 50,00.
Mais aí eu nunca vou tomar Vinhos mais caros? Vai. Observe a regra novamente. Você está acostumado a tomar Vinhos de R$ 15,00, e uma vez ou outra vai comprar um de R$ 25,00. Com o tempo qual vai ser seu hábito? Talvez consumir Vinhos na faixa de R$ 20,00, o resultado é que seu novo patamar passa a ser de R$ 40,00, e não mais de trinta.
Esta regra funciona muito bem porque controla, sem maiores problemas, seu hábito de consumo e dirige você na velocidade certa para Vinhos mais sofisticados. Esta regra só perde a validade quando você começa e chegar às faixas de preços de Vinhos mais sofisticados, por exemplo, seu limite passa a ser de no máximo R$ 100,00, aí você está liberado, e até lá seu paladar já está treinado, e provavelmente já leu muitos dos meus artigos para entender melhor o que está tomando com tanto dinheiro.

Pesquisar

Ocorreu um erro neste gadget

De o Osso ao Cachorrinho